CASA NOVA:

https://www.facebook.com/pages/É-Sagrado-viver

19 de abril de 2011

Como tenho raiva do Antoine de Saint Exupéry –
 “tornamo-nos eternamente responsáveis por aqueles que cativamos…”
 Mas isso não é terrível? Ser reponsável por tanta gente? (...) 
Então, abandonar o amor? Não. Mas é preciso escolher. Porque o tempo foge. Não há tempo para tudo. Não poderei escutar todas as músicas que desejo, não poderei ler todos os livros que desejo, não poderei abraçar todas as pessoas que desejo. É necessário aprender a arte de “abrir mão” – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial. (...)

(Rubem Alves)



Meus sentimentos pela obra de Exupéry passam bem longe de qualquer raiva,
mas isso vou morrer concordando com Rubem Alves.
"Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, 
desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes
nunca será perda de tempo. 
O essencial faz a vida valer a pena..."

26 comentários:

  1. Sam,

    Eu já comentei várias vezes lá no blog que apesar da obra ser densa, complexa e muito maior do que apenas esse aspecto, essa coisa de responsabilizar os outros pelo que sentimos não me agrada nadinha, não combina comigo, daí minha falta de simpatia por esse trecho do livro. Já o que tu usa aqui, na caixa de comentários, acho lindo e sinto igual. ;)

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. mas é do essencial que tanto se faz necessário em nossas vidas,no essencial simples e significativo a nossos olhos!

    Beijos meu.

    ResponderExcluir
  3. “tornamo-nos eternamente responsáveis por aqueles que cativamos...”
    Gosto muito de Rubem Alves, mas faço uma leitura um pouco diversa acerca desta frase. Creio que o que está em causa é o impacto das nossas atitudes nos outros, ou seja, é uma forma de dizer que a harmonia tem olhares muito profundos, não se compadece com a efemeridade da brisa em tarde de calor. O nosso envolvimento tem consequências, e não se pode cativar apenas por uma questão de auto-estima. Esse gesto traz consequências...
    Será que consegui ser explícito?

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  4. Meu livro de cabeceira, adoro!
    Acho se cativarmos, ou se a pessoa fez parte da nossa história – não importa por quanto tempo – somos, sim, responsáveis um pelo outro. Mas só até o momento em que haja interesse por parte de ambos, independente do tipo da relação, casamento, amizade...
    Na verdade, todos estamos vinculados um ao outro e somos afetados espiritualmente por tudo o que fazemos, para quem acredita que tem muito mais coisas acontecendo ao nosso redor do que nossos sentidos podem captar, e que cada relação que mantemos nos vincula...

    Lindo tema pra começar o dia se questionando Sam.

    A conclusão com a tua opinião fechou o post bom.

    ResponderExcluir
  5. Danada essa frase... Faz a gente refletir tão profundamente sobre nossas ações com os outros, conosco, faz pensar sobre os julgamentos que fizemos, quase sempre, equivocados, e mais ainda, nos lembra que deixamos muito da nossa inocência lá atrás, esquecida e repleta de pó.


    É tão mais fácil culpar o outro... =(


    Que Deus nos conceda a graça de sempre termos sensibilidade pra perceber o outro, humildade pra perdoar e nos perdoar e sabiedade pra ver que unidos vamos mais longe...


    Amada Sandra,

    Um dia lindo!

    Te levo no coração.

    ResponderExcluir
  6. Que demais.
    Assim eu concordo plenamente com a frase de "Exupéry", mas o final do Rubem foi incrível!

    Tenha um ótimo dia Sam :*

    ResponderExcluir
  7. Oi, Sam. Ando visitando alguns blogs ultimamente, pois percebi que há blogs mais ricos do que eu pensava e que eu preciso conhecê-los mais. Assim, estou aqui. E vou lhe falar a verdade. Esta postagem aqui me trouxe uma emoção muito forte. Uma experiência muito boa. "O essencial faz a vida valer a pena..." Acredito que não há outra maneira de buscar e encontrar a nossa essência a não ser vivendo, compartilhando, descobrindo. Há sempre alguém de verdade que possamos conhecer, um lugar novo para desfrutar... O tempo foge e a vida não para. Mas, é preciso escolher. E cada escolha definirá quem somos e com quem vivemos. A vida é complicada! gostei muito do Blog! seguirei! umbjo!

    ResponderExcluir
  8. eu discordo d
    do rubem, da querida luna (que sou fã), somos responsaveis sim, se cativamos , se conquistamos , somos responsaveis.
    se o mundo masculino sentisse assim , teriamos menos dor no universo,não? rs

    ResponderExcluir
  9. Que coisa boa ver tanta gente bacana interagindo com sua opinião, sobre um assunto tão fundamental como o amor!

    Respeito todas as opiniões e cada uma a seu modo, me fizeram pensar...

    Mas mesmo levando em conta todas as considerações que li... não consigo discordar de Rubem...

    Quem nunca se equivocou com o amor de tal pessoa, e de repente foi surpreendido por uma atitude, que jamais esperava vir de alguém que dizia que o amava??

    A carência é quase que inerente ao ser humano... Vinícius de Moraes sabia disso qdo citou que era impossível ser feliz sózinho.
    Todos algum dia em algum momento, precisam de um colo, de um abraço, um carinho, uma palavra, e até o tão usado e gasto “eu te amo”. E nessa busca por querer esse ”compartilhar”, nos deixamos muitas vezes nos enganar por pessoas que nos dizem amar... perdemos muito tempo não realizando coisas maravilhosas em nossas vidas, nos dedicando a essas pessoas.

    Como diz Rubem Alves na mesma crônica: “Aí eu comecei a pensar nas coisas que amo e que abandonei - vejam só: nesse preciso momento me dei conta de que, por causa dessa crônica não liguei a fonte que faz um barulhinho de água e nem pus nenhuma música no meu tocador de CDs, a pressa era demais, a obrigação era mais forte.”

    Confesso a vocês que nessa vida deixei de fazer muita coisa importante pra mim, me dedicando a quem dizia muito me amar, e no entanto foram responsáveis por grandes decepções...

    Precisamos ter cuidado com a sedução da clareza, com o engano do óbvio.

    E hoje com uma certa maturidade que a vida me permitiu não dedico todo o meu tempo e não me responsabilizo por aqueles que dizem que me amam.
    Prefiro ficar com aqueles que me fazem amar!

    Quem tiver interesse de ler a crônica na íntegra, aí está o link: http://www2.uol.com.br/aprendiz/n_colunas/r_alves/id220101.htm

    Não postei inteira aqui, porque ela é bem extensa, mas vale a pena ler.

    Grande beijo a todos!

    ResponderExcluir
  10. Nossa que incrível esse texto..não conhecia..é assim mesmo que me sinto..rsrsrs sem tempo fazer tudo que tenho vontade de fazer

    ResponderExcluir
  11. Sigo a linha de pensamento de Rubem.È de extrema responsabilidade nos responsabilizarmos por toda uma vida que foi partilhada conosco em dupla vontade. Se cativei, tbém fui cativada. Devo ter cuidados amorosos, sim, mas não ser deles cativamente acorrentada.Nenhum amor resiste à possessão.
    O essencial implica em clareza de escolhas.
    Amei o diálogo, Sam.
    Tenha um ótimo feriadão!
    Bjo grande,
    Calu

    ResponderExcluir
  12. Sam, vou todo dia por aquele caminho amarelo... é a minha ´cadimia`.
    Quando esquentar mais vou até as montanhas, você nao imagina como é mágico por lá... você pode gritar que ouve só o teu eco... já escrevi muitas postagens por lá no passado, até porque vou sozinha...
    E eu já falei demais, sendo que tinha prometido falar menos.
    A Emily Dickinson foi uma poetisa (maravilhosa) americana, gosto do estilo dela.

    Beijo lindona!

    ResponderExcluir
  13. Recebi um MEME e indiquei o teu blog para participar, entre os blogs que gosto de visitar. Espero que não te importes. As regras estão na postagem do meu blog: http://cristalssp.blogspot.com/p/selos-e-mimos.html

    Beijos

    Ani

    ResponderExcluir
  14. Meu livro de cabeceira, meu livro de vida é o Pequeno Príncipe.
    Talvez não sejamos responsáveis por tanta gente. Só por aquele que ficam marcados em nossa vida.
    Tenho que discordar de Rubem Alvez: poderei ler todos os livros que quero, pra abraçar dos as pessoas, ou ouvir todas as músicas. Eu só preciso organizar meu tempo, porque eu já o possuo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  15. Nossa, é pra refletir... Mas afinal, nós mesmos decidimos dar mais a alguns e menos a outros, acho que esse mais é pra onde nosso coração aponta o essencial.

    e Realmente, o essencial faz valer a vida.
    Sorrisos.

    ResponderExcluir
  16. É por isso que eu sempre digo que as pessoas deveriam ter mais cuidado ao cativar alguém. Não é obrigado ser responsável, mas é cruel ser irresponsável.

    Beijos da Flor

    ResponderExcluir
  17. já que não temos tempo para realizar tantos sonhos ,o negócio então é começarmos a desejar menos.

    Acho que a pessoa cativada também é responsável pelo outro na medida que não se deve fazer o outro se sentir arrependido de tê-la cativado.

    Eu penso assim.

    bj ...ótima postagem...

    ResponderExcluir
  18. Acho que é assim: O amor é essencial, que é o que faz a vida ser especial...e é invisível aos olhos, só sente quem foi cativado, quem tem sonhos, quem está aberto, querendo, buscando a mesma coisa!!

    Tipo, uma mistura dos dois... "tudo é uma coisa só" rsrs

    Beijos, adorei seu cantinho, sigo-te!!

    ResponderExcluir
  19. Sam, que nesta Páscoa, você receba muitas bênçãos dos céus e encontre junto ao ninho do coelhinho, além dos ovinhos embrulhadinhos, muita paz, muitas flores, muitas alegrias e muitas energias renovadas. Feliz Páscoa a vc e todos seus familiares!! Tenha um ótimo feriado bjos

    ResponderExcluir
  20. Maravilhosa reflexão fez Rubens Alves. Lindo tudo aqui...beijos,chica

    ResponderExcluir
  21. Sam, adorei tudo aqui !!
    Lindo, lindo seu espaço.

    Fico muito feliz que através dessa imensa Blogosfera vc tenha encontrado o meu cantinho e eu o seu.

    Que sua Páscoa seja repleta de felicidades incansáveis.
    Ótimo feriado, bjos..

    ResponderExcluir
  22. Ei Sam, esse tu sabes que é meu favorito, Exupéry e o PP tem um significado sem igual, e este trecho, podemos interpretar de tantas formas, eu concordo com ele, mas acho que às vezes é nós que confundimos o que é cativar ou não. e a responsabilidade em uns pode não valer nada, né? vão assim, sem mais nem menos.

    Notei que há na escrita de Rubens alguns elementos da escrita de Sylvia Plath, veja só esse trecho dela.

    Vida o que vou fazer com ela?
    Não sei e sinto medo. Não posso ler todos os livros que quero; não posso ser todas as pessoas que quero e viver todas as vidas que quero. Não posso desenvolver em mim todas as aptidões que quero. E por que eu quero? Quero viver e sentir as nuances, os tons e as variações das experiências físicas e mentais possíveis de minha existência. E sou terrivelmente limitada(...)

    Acho que falei demais, já né? rrsrs
    Sam, vou viajar no feriado, só volto na segunda agora, então já te desejo bom feriado e até a volta.

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  23. "Porque o tempo foge." (...) "É necessário aprender a arte de “abrir mão” – a fim de nos dedicarmos àquilo que é essencial."
    a vida passa tão depressa para perdermos tempo com bobagens , concordo plenamente que é necessário 'abrir mão' para nos dedircarmos somente ao que é essencial.
    Ótima Páscoa e um super beijo!

    ResponderExcluir
  24. De todos os livros que já li é também para mim o meu preferido. Um abraço.

    ResponderExcluir

"Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz."

(Exupéry)