CASA NOVA:

https://www.facebook.com/pages/É-Sagrado-viver

18 de maio de 2011

"Duro aprendizado amoroso, o começo de uma separação. Porque, seja como for, é uma pequena morte. Difícil não se magoar quando o amado muda. Podemos ter certeza de que não o faz por maldade, que quando dizia "eu te amo" estava amando de verdade, a verdade dele. Queremos ser superiores, queremos ser generosos, podemos até dizer: "Vá, sim, vá que eu espero, vá porque eu não posso te prender". Ou: "Seremos amigos para sempre".

Mas nós nos machucamos e talvez ao outro, lutando contra a nossa humanidade que quer se agarrar ao momento de beleza, quer continuar sonhando - e agora o que fará com essas mãos cheias de ternuras para dar, a cabeça repleta de sonhos e projetos, o corpo acostumado aos calores do amor?
No futuro tudo isso há de cintilar. Mas agora não sabemos disso, e por não saber é que sangramos".


(Lya Luft)

31 comentários:

  1. Sandra,

    Que terno isso.
    Quanta maturidade no texto da Lya. Difícil ver o 'fim' dessa maneira, quando tudo é recente.

    Nada como o tempo, e as voltas da vida, pra gente entender o porque...

    Escreveu Quintana: 'tão bom morrer de amor e continuar vivendo',

    E o doce Caio: 'ai passar... vai passar... e poderei dizer: estou contente outra vez'


    Importa o quanto essa pessoa nos fez bem, as boas lembranças, e a saudade do que foi importante em determinado momento,


    Importa amar, mesmo que não seja 'pra sempre'


    Fiquei até nostálgica com esse post: ADOREI!


    Sandra,

    Um beijo carregado de todo carinho desse mundo,

    ResponderExcluir
  2. Mesmo que ambos saibam que é a melhor coisas a fazer, uma separação é sempre doída e deixa marcas.
    Bjux

    ResponderExcluir
  3. Como a Lya consegue expressar-se tão bem!!
    Falar com propriedade sobre os sentimentos não é p todo mundo

    ResponderExcluir
  4. Querida Sandra!
    Fiquei bastante emocionado com este seu post. Tem toda a verdade.

    Um beijinho.

    ResponderExcluir
  5. Toda pequena morte, pode ser um grande recomeço.

    ResponderExcluir
  6. Estou me reintegrando, porque passei por um momento assim. Quão doloroso é, não é fácil o desapego, deixar pra lá, esquecer. As lembranças voltam ferindo impiedosamente o coração.

    A impressão que tenho é que nunca vai passar. Que a cicatriz não fecha. Que só de esbarrar, sangra.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Demora para cintilar...
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  8. Ahh,Querida Sam!
    por mais doloroso e difícil,se faz necessário.
    Um dia cintila,mas sempre lembraremos...
    Um beijo grande pra ti,Lindona*

    ResponderExcluir
  9. Sam,
    graças a Deus tudo na vida passa, até esses momentos muito doidos em que ficamos sem saber o que fazer com o nosso sentimento.
    bjo grande pra ti ;)

    ResponderExcluir
  10. Há sempre muita dor em qualquer separação amorosa.
    Lya Luft consegue expressar com clareza como o sentimento flui em tempos de despedidas.
    Fica as lembranças ...
    abraços Sam

    ResponderExcluir
  11. Concordo plenamente quando diz que uma separação é como uma pequena morte. Uma morte que deixa sempre a sua magoa, apesar de nos erguermos sempre dela.

    Big K

    ResponderExcluir
  12. Aprendizados de amor sao sempre dolorosos... é difícil entender, quando amamos, que o outro só dá aquilo que tem, nothing else.

    Beijinhos Sam!

    ResponderExcluir
  13. Que maravilha.
    Sangramos, e sangramos muito. Mas cintila sim, o tempo passa e tudo vai passando com ele.
    Ai q saudade q dá quando não passo por aqui!
    Um beijo minha querida Sam!

    ResponderExcluir
  14. A vida é isso mesmo, pequenas mortes... para que sorria a vida... em plenitude...

    ResponderExcluir
  15. Olá Sam,

    Passando para deixar um abraço e, claro, ler-te, pois que não tem coisa melhor.

    Abç com carinho

    ResponderExcluir
  16. Olá

    É uma dor indescritível...saudades eternas.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Quando se acaba um relacionamento, e o outro é quem se vai, ficamos exatamente assim como diz a Lya, com uma montanha de sentimentos que não sabemos o que fazer com eles.
    Querida é sempre bom passar por aqui e ler seus posts. E obrigada pelo carinho de sempre Sam.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde, querida amiga Sam.

    Adorei!!
    "No futuro tudo isso há de cintilar"
    Senão, tanta dor por nada?

    (O diamantes surgem através dos vulcões)

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  19. Lindo post! Imagem escolhida a dedo!!!
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  20. São momentos sempre muito difíceis... e dos dois lados! Morremos sempre um pouco... é sempre um falhanço!

    ResponderExcluir
  21. Tanta verdade nesta texto! Claro que há sempre muita dor em qualquer separação amorosa, se bem que nem todas deixam marcas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Sabe Sam, eu acredito que a Lya tenha razão, mas estou tão feliz por não poder me rever no seu (dela) texto. É que ainda estou na fase do "eu te amo", uma fase que está durando, graças a Deus bem mais de 30 anos. Se um dia começar a sangrar...

    ResponderExcluir
  23. Lindas palavras... Cheias de dor, mas mesmo assim... Muito lindas.... Gostei demais mesmo! Parabéns!

    ResponderExcluir
  24. Sangra sempre, Sam, sangra sempre...

    Carinho,
    Jorge

    ResponderExcluir
  25. Quanta simplicidade em algo tão complexo!
    Adorável, como sempre Sam ..

    Beijos e boa quinta-feira! :)

    ResponderExcluir
  26. Ahh que pena nao pude ver sua fotinho :-(
    Você viu se a cam tá conectada mesmo, antes de tirar a foto? Ou se quando abre a janelinha, a sua cam está configurada mesmo, ali naquela setinha no lado direito da tela? Espero tenha ajudado, e logo te "ver" por lá embelezando :-)

    Beijinhos Sam!

    ResponderExcluir
  27. Adoro a Lya, e adorei seu blog tbm, já estou ficando e voltarei beijos e bom fds

    ResponderExcluir
  28. San, então eu acho que cintilei de alguma forma.

    Não sangro mais!

    Lya é maravilhosaaaaaaaaaaaaaaa!
    Uma mulher invejável!

    Te abraço!

    ResponderExcluir

"Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz."

(Exupéry)